Catu, Cruz das Almas e Pojuca estão em festa

 Os municípios de Catu, Cruz das Almas e Pojuca comemoram neste domingo, dia 29 de julho, suas emancipações políticas. Catu, situado na Região Metropolitana de Salvador, a 78 km de distância da capital, festeja seus 144 anos. Município próspero, com setor petrolífero definido e comercial igualmente desenvolvido. É conhecido por sua topografia irregular e fica localizada na BR-110 entre Salvador e Alagoinhas. Quando os portugueses aportaram na Bahia, viviam no território onde hoje esta situada a cidade, os valente índios Patachós e Tupiniquins, que mais tarde imigraram para os sertões, fugindo da penetração dos colonos portugueses. O município de Santana do Catu surgiu em 26 de junho de 1868, em 23 de junho de 1931 teve o nome simplificado para Catu. A vila foi elevada à categoria de cidade em 30 de março de 1938, e desde o mesmo ano do decreto estadual que Catu é formada pela sede e pelos distritos de Bela Flor (ex-São Miguel) e Sítio Novo. Mas, desde sua criação, a cidade tem passado por importantes avanços que tem impulsionando Catu para um futuro melhor.

Cruz das Almas, que comemora seus 115 anos, foi criada em 29 de julho de 1897, está implantado no planalto pré-litorâneo, abrangendo uma superfície de 173,9 quilômetros quadrados. É limitado pelos municípios de Muritiba (Norte), São Felipe (Sul), São Felix (Leste) e Sapeaçu (Oeste). Duas versões explicam a origem do nome da cidade: a primeira atribui à existência de um cruzeiro na antiga Estrada de Tropas, onde o povo se reunia à noite para fazer novenas, invocar os santos e rezar pelas almas. A segunda versão diz que alguns fundadores da vila, portugueses, teriam batizado com o nome de sua terra de origem, a Cruz das Almas Lusitana. Cruz das Almas abriga um significativo número de literatos e artistas. O Centro Cultural Galeno D’Avelírio coordena a cultura cruzalmense e conta com biblioteca, exposição permanente de artes, Foyer e o Museu da Cidade. Dispõe da Biblioteca Pública Municipal, a biblioteca da UFRB, além de pequenas bibliotecas distribuídas pelos colégios. Símbolo permanente da cultura cruzalmense é o seu famoso São João que atrai baianos e turistas do Brasil e do mundo.
 
Pojuca comemora seu centenário. Fundado em 1912, o município de Pojuca está localizado na região do Recôncavo. A agricultura, pecuária, comércio, extração de petróleo e gás natural, indústrias, principalmente de minérios, comércio e serviços, são as atividades econômicas da cidade. O petróleo e o gás natural são as riquezas de maior evidência, e por conta disso, Pojuca já recebeu o título de Rainha do Petróleo. A cidade revive uma tradição secular, a festa do boi janeiro. O evento que é uma das maiores manifestações culturais do município, lota as ruas da cidade de pessoas que saem atrás do boi entoando cantigas tradicionais. A festa consiste em um tipo de encenação itinerante, que mistura tragédia e humor simbolizando o contraste entre a inteligência e a força bruta. No decorrer do percurso os participantes param nas portas das casas, dançam, recitam poesias, cantam, e os proprietários das residências têm que dar algum tipo de presente para o boi ir embora.

Comentários

    Não há comentário

Comentar